Pontuação de Diálogos -(“) desculpou-se por interromper (“).

A shelf filled with books

O pedreiro levantou a parede da cozinha, a da pia. Instalações hidráulicas e elétricas precisam ser feitas, para permitir a passagem dos conduites e canos. Se você contratou um empreiteiro ou arquiteto ele vai fazer uma análise da praticidade das instalações antes mesmo de levantar a parede. Se não, prepare-se para algumas dores de cabeça e despesas desnecessárias com reformas assim que a obra ficar pronta.

A pontuação dos diálogos é este buraco por onde passarão os verbos dicendi ou outra informação que deixe claro quem está falando. Dependendo de como você usa a pontuação ela pode facilitar ou dificultar a leitura, acrescentar elementos novos ou deixar o leitor desconfortável.

Outras informações sobre como fazer ou não fazer um diálogo estão nesta outra postagem (Diálogos e seus Dramas (ou seriam Comédias?) – Dicas Para o Escritor Iniciante – 16

Diálogos

Regras Para Pontuar o Diálogos.

Para as regras você pode consultar também gramática. No entanto, são as nuances que fazem a pontuação importante. Para começar, há duas formas básicas.

LATINA

– Muito maior – acrescentou o outro.

INGLESA

“Pobre pequena”, ela sussurrou.

OUTROS MODELOS

Com vírgulas separando o verbo dicendi

– Você está lindo, disse ela, esquece-me inteiramente. (Machado de Assis, D. Casmurro)

Com aspas retas, o correto nas línguas latinas

“Você está lindo”, disse ela, “esquece-me inteiramente”.

Com aspas simples, inglês séc. XIX

‘Ele vai e vem cristão’, disse ela. (C. Dickens – Oliver Twist)

Aspas inserindo o diálogo dentro do corpo do parágrafo

Pree permaneceu em pé na grama embaixo das árvores. “É isso que os Imortais já fizeram por você?” perguntou desacreditado, assim que a viu.  (G. R. R. Martin, Game of Thrones)

Travessões separando o sujeito do predicado ou de outras partes da mesma sentença.

– Nada – eu sopro – é menos seguro que a palavra divina, Eva. (Paul Valery, A Serpente e o Pensar)

Com verbos acendi:

Ela acrescentou com os olhos, que brilhavam extraordinariamente:

– Seremos felizes!

(Machado de Assis – D. Casmurro)

Sem dicendi ou acendi

– Séculos depois e você quer se comparar ao Angelo… – Ele fez um gesto de impaciência. (Priscilla Matsumoto, Ball Jointed Alice)

Nada ou quase nada

O texto deixa claro quem está falando e só usa dicendi ou acendi com figurantes.

Daniel Galera – Cordilheira

QUAL MODELO ESCOLHER?

Como as instalações da parede. Eu posso escolher quebrar a parede para colocar os conduites, posso usar tijolos especiais para passagem de fios, canos e instalação de tomadas, assim como fazer instalação aparentes. Tudo vai depender do estilo do proprietário, da casa, da decoração etc.

Portanto a escolha da pontuação nos diálogos está diretamente ligada ao efeito que se pretende no texto.

Olhando para o travessão e para a vírgula: o primeiro parece separar quase completamente o diálogo da ação, enquanto o segundo tem um efeito de proximidade.

Olhando para as aspas e para o travessão: as aspas parecem dar certa cumplicidade ao texto e a ação, enquanto o travessão tem um caráter mais explicativo, esclarecedor.

Quebrar a ação ao meio como no exemplo acima:

– Nada – eu sopro – é menos seguro que a palavra divina, Eva.

Traduz-se como reticências, uma pausa do locutor entre as partes das sentenças, a própria vírgula, então o uso da vírgula neste exemplo específico faria menos sentido do que o travessão.

Começar o diálogo dentro do parágrafo e continuar dentro do parágrafo pode sugerir uma interação entre cenário e diálogo, como se os personagens não pudessem se dissociar do local em que a ação acontece.

PARA ALÉM DA REGRA

Ainda podemos pensá-lo como todo o texto em primeira pessoa num diálogo consigo mesmo em que as próprias respostas fossem o parágrafo seguinte.

Tabulá-los como num poema

Entorpecido de pesados sonos.

Sonho?

Sonolento de sonhos e arbustos.

Foi sonho?

Espesso de mormaço e sonhos…

Sonhei ou…?

(Mallarme – A sesta de um fauno)

 

Ou como numa conversa em rede social

PASSA LÁ EM CASA

QUE HORAS?

DEPOIS DAS TRÊS

Advertisements

About claudiadu

Sou professora e escritora. Gosto de ler e escrever Ficção Científica e Fantasia. O resto é bobagem. Livros: O Caminho do Príncipe Matando Gigantes Um Pequeno Livro de Poemas, 70% Água Na Taverna do Capitão Destroços Contos do Mimeógrafo Noveletas: IICO Contos publicados: Gente é Tão Bom - Trasgo no. 1 O Tesouro de Nossa Senhora dos Condenados, Coletânea Piratas - Editora Catavento Lolipop, Coletânea Boy's Love - Editora Draco Monsuta - Shi, Coletânea Dragões - Draco Encaixotando Nina - Cobaias de Lázaro Invasão de Corpos - co autoria, Cobaias de Lázaro Seduzindo Oliver - co-autoria, Cobaias de Lázaro A Princesa no Escafandro Cor-de-Rosa - Contos Sonoros do Meia Lua Pra Frente e Soco Extensão - Contos Sonoros do Meia Lua Pra Frente e Soco A sair em breve: Retrônicos, coletânea - editoração e conto O Menino Jaguar e o Escudo do Sol - Trasgo 10

Posted on May 12, 2016, in Uncategorized. Bookmark the permalink. 1 Comment.

  1. Esqueceu do diálogo “a la Saramago” 🙂

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: