A Força da Palavra – Dicas Para o Escritor Iniciante 17

saiba-mais-os-poderes-das-palavras

“No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.
Ele estava no princípio com Deus.
Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez.”
João 1:1-3

A Bíblia é um livro lindo, adoro Os Cantos, Os Salmos, Matheus. Quem não leu, seja por algum preconceito, ou por não acreditá-la também literatura, leia. Não sou religiosa, não tenho religião. Mas tenho certeza que sem a palavra o mundo não existiria, porque não poderíamos dizê-lo.

Como pensar o mundo sem usar palavras? A linguagem tem três funções principais: representar ideias, exteriorizar sentimentos e demonstrar vontades.

Para expressar o mundo precisamos de um vocabulário amplo, que não deixe dúvidas quanto ao que queremos dizer em relação as nossas ideias, sentimentos ou vontades. Vocabulário escasso ou usado de forma inadequada prejudica a recepção, confunde o leitor. Existem dois caminhos para adquirir vocabulário e nenhum deles é automatista. Um é a leitura, o outro a escrita. Não faz nenhum sentido decorar listas de palavras.

É preciso conhecer todos os vícios de linguagem para que não abusemos deles. Repetições, solecismos, redundância, cacofonia, arcaísmo, anfibologia. O escritor iniciante peca bastante neste quesito, não vou discorrer sobre eles, há muitas informações disponíveis.

“Adentrou o recinto, recitando a ode em forma de poema, o rei o reverenciou, seus pés ocilaram, estava aonde deveria estar.” 

Temos alguns exemplos de vícios de linguagem como o verbo adentrar no sentido de entrar, adentrar significa penetrar ou pela força ou com certa dificuldade, o mesmo vale para aonde, que não é onde, aonde implica movimento, direção. Os pés de quem oscilaram? Do poeta ou do rei? Oscilar (com s) é a melhor palavra para esta narrativa?

Utilize sempre um dicionário, ou dois, três. Um dicionário de sinônimos e outro de antônimos, faça pesquisa etimológica, estude semiótica. Aprender outro idioma ajuda a entender como o seu próprio idioma funciona, mas para o escritor é bom que ele compreenda além da oralidade, um pouco de sintaxe da língua estrangeira. Use ferramentas para aumentar seu vocabulário como pesquisar na internet o assunto sobre o qual se quer escrever e criar um banco de palavras.

Usando palavras, sejam no seu sentido denotativo ou conotativo – expressões em desuso, diga-se – precisamos de um contexto para que possam viver. Muitas delas têm tantos significados que sem o contexto não conseguiríamos definir sua função.

torre – dedo – seguir

Torre – edifício alto fortificado, usado antigamente para defesa na guerra

Dedo – cada uma das extensões articuladas da mão

Seguir – marchar, caminhar após.

“Torre fria do mundo, vulcão, dedo de neve que me seguiu por toda…”

Descrição do vulcão Osorno no Chile por Pablo Neruda.

Já falei no perigo de usar generalizações. Estava generalizando. Em qualquer texto mais elaborado, as duas extensões – particular e geral – se interligam e formam um conjunto, este conjunto é que dá a dimensão do que se escreve. Observe alguns desenhos, quadros ou revistas em quadrinhos, reproduza o quadro geral, depois procure descrever os detalhes.

Outro problema comum aos escritores inciantes é o excesso de adjetivos. Não são necessários adjetivos em profusão para descrever um ambiente, há outros recursos como as figuras de linguagem por exemplo.

Ela tinha uma beleza incomum. E? O que esta frase acrescenta ao retrato da personagem é absolutamente nada. Que tipo de beleza? Por que incomum?

Singularmente alta e quase sem seios, vestida de preto das botas ao lenço no pescoço, pareceria um homem, não fosse a cintura fina marcada pelo colete a definir-lhe o sexo. Os cabelos lisos desvencilhavam-se da cabeça, apontando a saída para todos os lados. Observavam-me seus profundos olhos violetas. Eu observava sua boca vermelha, sangue sobre o branco em seu rosto dividido simetricamente pelo nariz reto. Sua aparência tinha um quê de anjo saído das sombras – faltavam asas, sobravam intimidantes sorrisos. Descrição de um herói de mangá – não me lembro do nome ou da revista.

Seja claro e procure a palavra certa para expressar o que quer, a escrita traduz o som e a imagem, não copia.

 

Advertisements

About claudiadu

Sou professora e escritora. Gosto de ler e escrever Ficção Científica e Fantasia. O resto é bobagem. Livros: O Caminho do Príncipe Matando Gigantes Um Pequeno Livro de Poemas, 70% Água Na Taverna do Capitão Destroços Contos do Mimeógrafo Noveletas: IICO Contos publicados: Gente é Tão Bom - Trasgo no. 1 O Tesouro de Nossa Senhora dos Condenados, Coletânea Piratas - Editora Catavento Lolipop, Coletânea Boy's Love - Editora Draco Monsuta - Shi, Coletânea Dragões - Draco Encaixotando Nina - Cobaias de Lázaro Invasão de Corpos - co autoria, Cobaias de Lázaro Seduzindo Oliver - co-autoria, Cobaias de Lázaro A Princesa no Escafandro Cor-de-Rosa - Contos Sonoros do Meia Lua Pra Frente e Soco Extensão - Contos Sonoros do Meia Lua Pra Frente e Soco A sair em breve: Retrônicos, coletânea - editoração e conto O Menino Jaguar e o Escudo do Sol - Trasgo 10

Posted on November 19, 2013, in Dicas Para Escritores Iniciantes and tagged , , , . Bookmark the permalink. Leave a comment.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: