Tempo Dramático – Quero Ser Escritor – 5

1278268844_103300097_3-BIBLIOTECA-VIRTUAL-45000-DE-LIBROS-EN-PDF-WORD-TXT-Tutores-Clases-Particulares-1278268844

Embora esta expressão tenha a ver com teatro, acho que na literatura atual ela se aplica muito bem. Duas questões relativas ao tempo:
1 – Quando a ação se passa? Presente, Passado ou Futuro.
2 – Durante quanto tempo ela se desenrolar? Uns minutos, 2 séculos.

Já temos a IDEIA, sabemos o LOCAL/LOCAIS onde acontece, temos o(s) PERSONAGEM(S) e quais AÇÕES incluiremos, assim como a ESTRUTURA que vamos utilizar e é aqui que entra a…

Primeira questão sobre o tempo.

Podemos inserir a história em variantes temporais infinitas na verdade. Por exemplo: começamos com um “flash back”, voltamos a ação para o tempo presente, voltamos ao passado de novo e assim por diante até fechar nossa história.
De qualquer forma que escolher contá-la, no entanto, esteja ciente de que tempo verbal e pessoa está usando para não confundir o leitor. Para quem não tem muita experiência sugiro que comece por um passado não muito distante e faça em primeira pessoa, em ordem cronológica, sem dúvida é mais fácil, assim temos um único ponto de vista e uma única linha temporal.

Fantasiando o Passado

Por mais fantasiosa que seja sua mente se optar ou por uma história num passado distante ou não, pesquise sobre.
Por exemplo: na época medieval as pessoas produziam seu sabão e lavavam suas roupas em tanques especiais, escovavam os dentes com palitos e usavam temperos diferentes dos atuais, carne não era essencial, a base da alimentação eram as verduras e legumes os grãos eram para as cidades, que eram poucas e para os exércitos. As flechas eram artigos especiais usados para derrubar o inimigo muito mais do que feri-lo, os arqueiros derrubavam os inimigos e os soldados acabavam com a raça deles então eram recolhidas.
A pesquisa acrescenta muito mais do que limita. Temos mais elementos para introduzir na nossa fantasia.
Pensando bem não há um elemento em Harry Potter, O Senhor dos Anéis, Game of Thrones etc. que já não tenha sido usado e reusado antes. O que faz estas histórias interessantes é o modo como estes conhecidos elementos estão misturados.

Inventando o Futuro

Muitos escritores são perfeccionistas, gostam de detalhes, explicam o desnecessário. Quer falar sobre o futuro? Como você o imagina? Orwell, Roddenberry – peço a permissão para incluí-lo aqui, já que não é um escritor propriamente – Wells, Huxley etc. imaginaram cada um a sua maneira, todos eles com um quê político bem definido. Orwell e o autoritarismo, Roddenberry e a guerra fria etc.
Não dá para falar do futuro com propriedade sem sugerir alguma ideologia; ufanista ou destruidora. Seja o que escolher não se prenda aos detalhes lógicos e coerentes, não explique o que a ciência não explica ainda. Se seu personagem usar uma arma desintegradora – arma desintegradora é tudo o que o leitor precisa/gostará de saber, ele também tem imaginação. Se quiser acrescentar algum detalhe leia artigos científicos só para ter uma ideia básica.

Relatando o Presente

Muitas editoras pedem que o escritor fale do que conhece. Vivemos no Brasil: falamos do Brasil. Afinal somos brasileiros, mal ou bem é a cultura e os valores com os quais fomos criados, portanto temos propriedade para falar sobre isso.
Uma história passada no presente é um relato do que acontece na mente do escritor naquele momento em que está escrevendo e, portanto, tem-se que prestar atenção aos detalhes. Este é o lugar dos perfeccionistas de plantão.
Aqui nos ligamos à…
Segunda questão sobre o tempo:

Cronologia – dependendo da quantidade de locais, personagens, histórias paralelas e ações vamos precisar nos organizar. Independente do tempo cronológico.

Ulisses de James Joyce se passa num único dia tem dois protagonistas principais e 265.000 palavras!!!

Calcule tempo de resposta para que os acontecimentos não pareçam deslocados da história. Se alguém está atrasado, deixe claro o porquê ou o como, não precisa ser naquele momento, só não se esqueça de explicar. Se alguém está pensativo ou deprimido, pause a história com algumas cores dramáticas e então continue. Respire com seu personagem.
Para alguns trabalhos mais complicados é necessário fazer um plano temporal para que não se perca, incluindo capítulo, personagem, ação e consequência no futuro se houver.

https://skynerd.com.br/perfil/Oldynerd/post/837495     (5 – Tempo)

Advertisements

About claudiadu

Sou professora e escritora. Gosto de ler e escrever Ficção Científica e Fantasia. O resto é bobagem. Livros: O Caminho do Príncipe Matando Gigantes Um Pequeno Livro de Poemas, 70% Água Na Taverna do Capitão Destroços Contos do Mimeógrafo Noveletas: IICO Contos publicados: Gente é Tão Bom - Trasgo no. 1 O Tesouro de Nossa Senhora dos Condenados, Coletânea Piratas - Editora Catavento Lolipop, Coletânea Boy's Love - Editora Draco Monsuta - Shi, Coletânea Dragões - Draco Encaixotando Nina - Cobaias de Lázaro Invasão de Corpos - co autoria, Cobaias de Lázaro Seduzindo Oliver - co-autoria, Cobaias de Lázaro A Princesa no Escafandro Cor-de-Rosa - Contos Sonoros do Meia Lua Pra Frente e Soco Extensão - Contos Sonoros do Meia Lua Pra Frente e Soco A sair em breve: Retrônicos, coletânea - editoração e conto O Menino Jaguar e o Escudo do Sol - Trasgo 10

Posted on September 25, 2013, in Dicas Para Escritores Iniciantes. Bookmark the permalink. Leave a comment.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: